Buscar
  • Grupo Primordium

Você pode estar perdendo dinheiro com sua estratégia de segurança

A estratégia de segurança é uma das maiores preocupações de uma empresa. Ou deveria ser.


Um plano bem feito assegura a preservação dos bens e a segurança das pessoas ligadas a instituição. E ainda, possibilita a melhor alocação de recursos e um nível eficaz na qualidade dos serviços.

Mas, não basta estruturar a área e delimitar um orçamento. Afinal, sem planejamento e uma comunicação inteligente os resultados destes investimentos se tornarão pouco efetivos.


Listamos algumas dicas que podem te ajudar a traçar uma estratégia de segurança mais completa. Acompanhe!


O QUE É UMA ESTRATÉGIA DE SEGURANÇA?

A segurança de uma empresa envolve diversas práticas e rotinas. E é na organização dessas práticas que reside o conceito de estratégia de segurança.


Em linhas gerais, podemos dizer que ela é a arte de planejar as medidas de segurança, prevendo ferramentas e procedimentos, de modo a minimizar os riscos e aumentar a proteção dos ativos tangíveis e intangíveis de uma empresa.


Para isso, ela deve considerar os fatores internos à instituição ( forças e fraquezas) e também os externos (ameaças e oportunidades).


QUAIS FATORES PODEM TORNAR ESSE INVESTIMENTO POUCO EFETIVO?

Muitas pessoas, por desconhecimento ou na intenção de economizar, acabam negligenciando alguns pontos importantes em uma estratégia de segurança.


O problema é que, desfalcado, esse plano pode gerar inúmeras dores de cabeça, fazendo com que o investimento em segurança não atinja os objetivos desejados. Assim, a segurança é falha e a empresa não consegue oferecer a proteção que dela se espera.


Portanto, confira algumas das principais falhas que você deve evitar ao traçar a sua estratégia de segurança:


PLANOS QUE NÃO SAEM DO PAPEL

Uma estratégia de segurança deve direcionar as medidas de proteção de forma que os recursos sejam compatíveis com os riscos identificados e o orçamento que se tem disponível.


No entanto, ter esse plano desenhado não basta. Para sua efetividade, é preciso que todos se conscientizem sobre sua importância e saibam como agir. Ou seja, é preciso haver treinamentos constantes e que as responsabilidades sejam compartilhadas.


DAR IMPORTÂNCIA APENAS PARA O PLANO FÍSICO

Apesar de importantes, as medidas físicas de proteção não devem ser as únicas a serem consideradas em uma estratégia de segurança.


Muitas pessoas se prendem aos equipamentos e esquecem de que, para além deles, é preciso definir processos que garantam a fluidez do plano.


São esses procedimentos que vão assegurar o cumprimento das normas estabelecidas, regendo o comportamento de funcionários, visitantes e clientes que estejam envolvidos com o ambiente em questão.


TER UMA ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO QUE DEIXA A DESEJAR

Quando as empresas trabalham seguindo as normas estabelecidas elas reduzem os perigos, conseguindo efetuar suas rotinas sem enfrentar imprevistos. Do contrário, falhas humanas colaboram para aumentar a criminalidade e podem colocar qualquer sistema abaixo.


Nessa dinâmica a comunicação desempenha um papel fundamental. Afinal, conscientizar as pessoas sobre a importância da estratégia de segurança motiva o envolvimento e reduz as chances das regras serem burladas.


NÃO CONTROLAR AS ESTATÍSTICAS, PERDENDO OS NÚMEROS DE VISTA

Para finalizar, uma última dica: acompanhe as suas estatísticas. São esses dados que vão permitir que você avalie a qualidade dos serviços prestados e ainda, identifique situações que possam fugir da normalidade.


Lembre-se que ter apenas a sensação de segurança não dá garantias de que ela é efetiva, muito pelo contrário. Além de ter uma visão distorcida acerca da sua realidade, você pode dar margem para que os riscos sejam ainda maiores.


Esperamos que depois dessa leitura você esteja mais seguro para saber avaliar a estratégia de segurança adotada na sua empresa.

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo